UM VELHO TÁXI

NA HISTÓRIA DE LISBOA

 

 

O táxi em que viaja é um «personagem» histórico da cidade de Lisboa. Foi até, vedeta de um filme, no qual o seu condutor de então, Augusto Macedo, conquistou, aos 93 anos, o prémio de melhor actor amador atribuído no Festival de Pescara de 1996.

O carro é um Oldsmobile Cabriolet, modelo XT 303, fabricado em 1928 pela General Motors. Desta série apenas três viaturas vieram para a Europa e as outras duas há muito que o tempo as levou.

O motor e a grande maioria das peças continuam a ser as de origem, com excepção dos pneus, que forma trocados pelos de um Chandler ainda mais antigo, de 1923. O carro, de caixa aberta, apresenta um motor de 6 cilindros, com 2745 cm3 de cilindrada e 11 cavalos de potência.

SEM UM ÚNICO ACIDENTE

O velho AB-61-86 sobreviveu, sem nunca ter sofrido um acidente, ao seu proprietário, falecido em Janeiro de 1997, precisamente no dia em que estreava três salas de Lisboa o filme que interpretava para o realizador alemão Wolf Gaudlitz. Nesse ano, em que caducava a sua carta de condução, Augusto Macedo era o mais antigo taxista do mundo ainda no activo.

O filme de Gaudlitz, intitulado Táxi Lisboa, não obedece propriamente a um guião rígido, antes conta historietas e encontros com amigos de quatro cantos do mundo com os quais conviveram Augusto Macedo e o seu Oldsmobile.

Nesse filme, referindo-se à provecta idade tanto do táxi como do seu condutor, o escritor Virgílio Ferreira, comentaria, a brincar com as letras da matrícula do carro: «não sei quem será mais velho. O AB da chapa deve indicar que á Antes de Babilónia...».

DE PADEIRO A TAXISTA

Os primeiros táxis surgiram em Lisboa no ano de 1907 e rapidamente se implantaram. Eram apenas quatro e instalaram-se no Rossio. Apesar de pequenos e com quatro lugares apertados, batiam em velocidade as velhas tipóias puxadas a cavalo e acabaram por se impor.

Augusto Macedo, natural de uma pequena aldeia do centro do País, veio para Lisboa, em 1916, para começar a trabalhar, aos 12 anos, numa padaria de que era sócio um seu irmão mais velho. Aos 24 anos, com dinheiro que pediu emprestado, comprou o carro que nunca mais abandonaria e a que dedicou toda a sua vida.

Não lhe era imaginável trocá-lo por qualquer outro e por isso, nos anos 60, recusou indignadamente uma proposta da General Motors, que lhe oferecia um carro novo em troca do AB, que passaria a integrar a colecção da companhia.

DOIS MILHÕES DE QUILÓMETROS

Augusto Macedo percorreu ao volante do seu Oldsmobile mais de 2 milhões de quilómetros pelas ruas de Lisboa e nas Linhas de Cascais e de Sintra. Constituiu uma clientela fiel, quer nacional quer estrangeira, com a qual criou fortes laços de amizade. Chegou a transportar três gerações da mesma família. Os seus clientes estrangeiros reservavam as viagens muito antes de se deslocarem a Lisboa. 

Em 1998 a Associação Turismo de Lisboa adquiriu o velho táxi de «antes da Babilónia», assegurando a sua conservação na cidade e a sua utilização para fins de promoção turística. Preserva-se assim uma autêntica lenda de Lisboa que, mantendo o espírito do seu anterior proprietário, continuará a acolher os visitantes e a percorrer as ruas da cidade.